Posts com Tag ‘sites’

Seach Engine Optimization ou otimização para mecanismos de busca, em português. À primeira vista parece um procedimento complexo de codificação, uma combinação engenhosa de bits, bytes e outras linguagens que os seres humanos comuns, que apenas abrem o navegador e digitam www.google.com, não conhecem.

Para completar, ainda existe uma série de agências e profissionais de marketing digital dedicados a melhorar o posicionamento de sites nos resultados gratuitos dos motores de busca. O processo sempre é descrito de forma muito genérica e o cliente pouco consegue visualizar como de fato acontece.

A SEO surgiu em meados da década de 90 através de critérios que parecem simples: o endereço do site era enviado para os sistemas de busca que através de programas mapeavam o conteúdo e armazenavam as informações. Ou seja: a importância maior de uma página em detrimento da outra estava na combinação de palavras, as keywords (palavras-chave).

É claro que de lá para cá muitos métodos, técnicas e sistemas já avançaram, há diversos parâmetros que também influenciam na localização de um site nas pesquisas, mas a essência ainda é o fato de que “o conteúdo é o rei”. E, exatamente por este motivo é que as relações públicas “versão 2.0” – a atuação profissional inserida no panorama da internet – são fundamentais para construir e desenvolver o conceito de uma organização e melhorar o seu alcance.

Enquanto um consultor de SEO avalia e aperfeiçoa a estrutura de um site – corrigindo meta tags, arquitetura da informação e códigos –, um RP é quem tem o conhecimento dos públicos, a capacidade de criar conteúdo direcionado, de qualidade e acessível. Ao fim e ao cabo é um esforço conjunto baseado na chamada pirâmide PTT:

piramide1

A otimização de um site para figurar entre os primeiros colocados numa busca exige conhecimento, tecnologia e trabalho constante. É uma atividade realizada através de um aprendizado recorrente ao longo do tempo para que se percebam as dinâmicas e fatores técnicos que podem influenciar.

De uma forma mais específica, consiste num procedimento baseado nos objetivos da organização e operacionalizado através de um planejamento para definir critérios como: estratégia de otimização, análise do setor, qualidade técnica, melhorias prioritárias, prazos possíveis e responsáveis pelas ações.

É uma operação que demanda investimento do ponto de vista de recursos humanos e de ferramentas profissionais para um gerenciamento mais completo. Porém, após esta etapa, a manutenção do resultado não requer altos custos, afinal, o site figura entre os primeiros por 24 horas diariamente de forma gratuita. Isso ocorre porque a cada ganho de posição, o custo-benefício na área de SEO aumenta, pois essa conquista garante um efeito mais duradouro.

Passados esses passos, a continuidade do sucesso depende da análise de resultados, monitoramento e medição. É preciso verificar o desempenho que as keywords estão obtendo a fim de corrigir aquelas que não estão atingindo o resultado, e até delinear de novas ações e metas.

Mais uma vez, a atuação do RP se destaca, pois isto é um processo essencialmente estratégico sobre a qualidade e direcionamento de conteúdos alinhados com a relevância que a organização pode obter dentro da área em que está inserida. Dependendo da abrangência do setor, não é viável o destaque através de termos amplos e genéricos. Cabe, então, ao RP identificar uma especificidade que pode oferecer mais notoriedade.

Okay. Resumindo: parece que é tudo sobre conteúdo e desempenho conjunto de profissionais de SEO e RP (além de alguns outros) no processo de concepção e otimização de um site. Mas, sejamos francos: este é um cenário ideal – e, na maioria das vezes, impossível.

Existem muitos obstáculos operacionais para empreender, principalmente do ponto de vista financeiro, então é preciso buscar alternativas para avançar com um projeto. A Google também sabe disso, e oferece uma série de ferramentas gratuitas que possibilitam o desenvolvimento de uma comunicação efetiva, através de dados, pesquisas e recursos.

Google: Search, Analytics, Customer Journey, Consumer Barometer, Trends. Faça como o site sugere: pense com Google. Afinal, como já foi dito antes neste blog numa reflexão sobre o que o Google fez pelas Relações Públicas, vemos só a ponta do iceberg.

Se você quer começar a olhar além sobre SEO, não perca esta consultoria com a Maile Ohye, diretora tecnológica de programas para desenvolvedores da Google. (Ela tem muito mais propriedade para falar sobre o assunto do que eu – risos). Enjoy it!  🙂

Anúncios